Receba nossas novidades

* indicates required

From the blog

10 Coisas Erradas Que Você Está Fazendo Com Seu Gatinho

Olá, pet lovers!

Eu tenho certeza que você faz de tudo para ser o melhor pai/mãe de gatinho. Sei que você estuda, pesquisa e sempre corre atrás para que seu filhote felino tenha uma vida maravilhosa!

“só quero sombra e água fresca”

Entretanto, mesmo sem querer, às vezes a gente pisa na bola e faz algo que não é tão legal para o gato… Às vezes a gente gera desconforto, atrapalha o comportamento natural dele ou até mesmo gera um estresse enorme, mesmo sem querer.

Então decidi falar um sobre o comportamento felino e listar dez coisas erradas que você está fazendo com seu gatinho. Fica de olho para ver se você não está cometendo algum desses erros!

  • Colocar a comida e a água perto da caixa de areia

Ninguém gosta de comer ou beber água perto ou até mesmo dentro do banheiro, não é? Com os gatos não é diferente. Manter o alimento muito perto da caixinha de areia pode atrapalhar a alimentação do gatinho ou seus hábitos de xixi e cocô: é possível que ele não se sinta confortável para usar o banheiro ali e comece a fazer suas necessidades fora da caixinha.

Uma dica bônus: os gatos, ao longo da sua evolução, mantiveram algumas atitudes e exigências instintivas da sua época de selvagens. Na natureza, ao sentirem o cheiro de um animal morto próximo à uma fonte d’água como um rio ou lago, os felinos optam por não beber água nesse local. Isso acontece porque a chance dessa água estar contaminada é enorme, e o instinto felino o previne de se contaminar. Incrível, não é?

  • Dar comida de humano para o gato

Essa está fácil, né, gente? Comida de gente está proibida para o gatinho! Muitas das comidas que nós, humanos, consumimos, podem ser super prejudiciais para o organismo do gato. Temperos, gordura, chocolate, uva… tudo isso pode ser letal para o gato.

“só na tranquilidade”

As necessidades alimentares dos felinos são diferentes das de um ser humano ou de um cão, já que seu metabolismo é diferente. Inclusive, também não pode dar comida de cachorro para o gatinho, e vice-versa, ok? Cada um precisa atender sua demanda alimentar específica. Converse sempre com o veterinário do seu bichinho para que ele prescreva uma dieta adequada.

  • Pensar que gato e cachorro são iguais

Por incrível que pareça, muita gente acha que cães e gatos tem que apresentar comportamentos similares. Pessoal, vamos pensar um pouco: nem dentro de uma mesma espécie encontramos indivíduos que apresentam o mesmo comportamento… Com certeza você já conheceu irmãos completamente diferentes, não é mesmo?

Se é assim às vezes até dentro da mesma família, imagine como é em espécies diferentes! Cães e gatos são totalmente distintos, seja biologicamente, em termos de desenvolvimento e evolução, nas suas necessidades e demandas… É infrutífero compará-los e esperar o mesmo comportamento de duas espécies tão distintas.

  • Não limpar a caixa de areia regularmente

Ninguém gosta de banheiro sujo. Nem humanos, nem cães, nem gatos. Simples assim.

O gato é um animal que preza muito pela higiene, e é fundamental que a gente cuide da limpeza da caixa de areia dele com muita atenção e regularidade.

A caixa de areia deve ser limpa todos os dias, sem exceção. Tire o cocô e o xixi e descarte-os adequadamente (isso varia de acordo com o substrato usado), verifique se não tem areia espalhada nas redondezas da caixinha (alguns gatos fazem muita bagunça na hora de enterrar, espalhando muita areia) e deixe a caixinha sempre com uma quantidade boa de areia.

“esperando meu humano limpar meu banheirinho”

Na minha casa eu lavo as caixinhas uma vez por semana, com detergente neutro e escova. Depois que a caixinha seca, gosto de passar um limpador enzimático (como o Herbalvet) ou água sanitária.

Seu gatinho merece que você cuide do banheiro dele com o mesmo esmero que você cuida do seu!

A caixinha suja pode fazer com que seu gato pare de usá-la completamente, o que pode gerar problemas de saúde (especialmente aqueles relacionados ao trato urinário) e problemas comportamentais.

  • Deixar o gato dar voltinhas na rua

Não, não e não. Sem discussão nesse tópico! A rua apresenta diversos riscos à vida do seu miau. Gatinho feliz é gatinho seguro dentro de casa.

Não acredite e não propague o mito de que gatos precisam passear, que são animais de vida livre. Seu gato precisa é de segurança e de enriquecimento ambiental no lar para ser feliz!

Se você garantir atividades, brincadeiras e entretenimento para seu miau dentro de casa, ele terá suas necessidades atendidas.

Tele as janelas do seu apartamento e acabe com as possíveis rotas de fuga da sua casa. Não deixe seu gato ser atropelado, envenenado, se envolver em brigas, ser agredido… É responsabilidade sua, como tutor, que ele esteja sempre seguro.

  • Deixar o guizo na coleira do gato

Eu sou super a favor de os gatinhos usarem coleira com plaquinha de identificação – os meus sempre usaram, acho que é mais uma medida de segurança que podemos tomar. Porém, a maioria das coleiras de gatinhos vem com um pequeno guizo.

As explicações para a existência de guizos na coleira dos gatos são várias: antigamente ajudava a diminuir a predação de pássaros e pequenos animais pelos gatos (o sininho avisava os bichos da presença de gatos); depois eles serviram para ajudar a localizar os gatos dentro de casa, nos quintais, etc.

Mas, hoje, já se sabe que os guizos fazem muito mal para os bichinhos. Eles têm a audição muito aguçada (é o principal sentido dos gatos), então imagine como é passar o tempo todo com um sininho batendo nos seus ouvidos? É muito desagradável!

Além disso, o guizo atrapalha uma das atividades principais do dia a dia do gato: a caça! E aí não estou falando de caçar de verdade, para comer, como seria na natureza. É a simulação de caça que eles fazem no ambiente doméstico, quando se movimentam de maneira furtiva (o famoso modo stealth) e se escondem para atacar algo, como um brinquedo, um inseto, o outro pet da casa ou até nossas pernas.

Os meus gatos já usaram coleira com guizo, infelizmente. Hoje sempre tiro o guizo quando compro uma coleira nova, assim eles ficam protegidos e confortáveis.

  • Fazer carinho em lugares errados

É claro que aqui estou falando de uma maneira genérica, cada miau tem suas particularidades, tá?

Nada de fazer carinho na barriga dos gatos, nem nas patas traseiras. Eles não gostam mesmo! O abdome é a área mais delicada do corpo do gato, pois é onde ficam os órgãos vitais. E as patinhas são muito sensíveis por conta dos coxins (as famosas almofadinhas), que são lotadas de receptores táteis.

Carinho na cabeça está liberado, os gatinhos geralmente adoram! Nas costas, passando pela coluna também. Na base da cauda alguns adoram, outros não. Você vai descobrir isso testando.

“aguardando meus carinhos”

Outra coisa que vale a pena prestar atenção é na maneira de abordar o gatinho quando for acaricia-lo. Não faça surpresas ou movimentos bruscos. Não seja bruto. Passe a mão com firmeza e calma, e não dê tapinhas. Ninguém gosta de ser acariciado assim, né?

Não tampe a visão do gato, pois isso pode deixa-lo inseguro. Ofereça sua mão para o gatinho cheirar primeiro, e depois faça carinho. Assim, garanto que seu miau vai adorar!

  • Medicar o gatinho por conta própria

Pelamordedeus, né gente? Isso vale para gatos, cães e inclusive para você mesmo! Não se auto medique!

Se o seu gatinho apresentar alguma alteração física, comportamental, na rotina de alimentação e caixinha, a primeira coisa que você tem que fazer é PROCURAR UM VETERINÁRIO. Ele é o profissional responsável por cuidar da saúde dos bichinhos.

Tenha um veterinário de confiança para cuidar dos seus animais, e tenha sempre o contato de mais alguns outros que poderiam atender seu pet em uma emergência.

Medicar seu gato sem a orientação de um veterinário pode ser fatal, pois existem remédios que são extremamente tóxicos para gatos. Um exemplo é o Paracetamol, tão usado na medicina humana, que gera intoxicação nos gatos e pode até levar à morte.

  • Cortar os bigodes do gatinho

Jamais faça isso! Fazendo um paralelo grosseiro, as vibrissas (os bigodes) funcionam como uma bengala de um cego. Eles funcionam como um sensor espacial e de movimento. Os gatos os usam para medir distância, profundidade e velocidade.

Esta sensibilidade especial nas vibrissas permite-lhes detectar objetos ou animais próximos, quer para evitá-los quer para caçá-los. Existem nervos na base dos bigodes que tornam o gato capaz de detectar movimentos, mesmo à distância e à noite. Isso explica a habilidade dos felinos em ambientes escuros.

“pensando em tudo que tenho que aprontar ainda hoje”

Cortar o bigode do gato pode causar desequilíbrio, incapacidade de avaliar a posição dos locais na hora de saltar e até uma certa dificuldade em andar em linha reta e correr. Ruim demais, né? Os bigodes são essenciais para o bem-estar do seu gatinho, então nada de cortá-los ou apará-los!

  • Fazer brincadeiras que assustam o gato

Francamente, quem gosta de ser assustado enquanto come? Se isso não tem nenhuma graça para você, porque seria divertido fazer com seu gato?

Vocês já viram aí pela internet uma “brincadeira” (cheia de aspas) que consistem em colocar um pepino do lado do gatinho enquanto ele está comendo, e vê-lo se assustar quando percebe o legume ali.

Isso acontece porque o pepino é um objeto totalmente desconhecido para o gato. Eles estão sendo pegos de surpresa por um objeto desconhecido em um momento vulnerável (o da alimentação) e entendem aquele objeto como uma ameaça. Podem entender o pepino como um predador, por exemplo.

E porque é uma ideia ruim assustar o gatinho?

Acho que essa pergunta nem precisaria de resposta, mas, vamos lá: esse tipo de brincadeira vai deixar seu gato extremamente estressado! Para alguns aninais, o efeito pode ser irreversível. Então, reflita: para quê fazer algo assim?

Espero que esse post te ajude a melhorar ainda mais sua relação com seu gato!

Lembrou de mais algum erro que eu deixei de fora do post? Comenta aqui embaixo!

Beijos!

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *